SOBRE NÓS

O Núcleo FEA de Pesquisa e Extensão em Gênero, Raça e Sexualidade (GENERAS) foi idealizado por graduandes*, pós-graduandes e docentes da FEAUSP com o objetivo de incentivar discussões, reflexões, pesquisas e publicações sobre gênero, raça e sexualidade, fomentando propostas para a sociedade.

Estruturamos projetos de pesquisa, ensino e extensão para o empoderamento social e econômico da comunidade. Temos pesquisas apresentadas internacionalmente sobre mulheres no mercado de trabalho, a presença de mulheres e de pessoas negras na academia, presença de minorias no ensino superior, empreendedorismo feminino e feminista e empreendedorismo não tradicional.

Acreditamos que o ativismo acadêmico deve levar a reflexões sobre o contexto social e fazer parte da mudança. Assim, nossos projetos embasam nossos argumentos para uma luta por um mundo mais justo. Embora focados em pesquisa acadêmica, não nos limitamos à academia pois acreditamos em pragmatismo suleado por dados e por evidências. Assim, articulamos projetos de ensino e extensão que visem construir um diálogo entre a academia e grupos não-hegemônicos.

Levantamento de Competências dos docentes da USP, que atuam ou têm interesse em atuar com Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação (P&D&I):

As informações serão reunidas e disponibilizadas ao público externo e interno da comunidade universitária, no Portal Solus, com o propósito de facilitar a conexão entre os diversos atores do ecossistema de inovação. Pretende-se estabelecer um ambiente favorável à cooperação entre a Universidade e a Sociedade, fortalecendo o desenvolvimento de pesquisas, a transferência de tecnologia e, consequentemente, a inovação.

Nossas competências:

Planejamento, elaboração e implementação de projetos de pesquisa, ensino e extensão em temáticas relacionadas à presença e participação de mulheres e de grupos não-hegemônicos em diferentes dimensões sociais, tais como academia, ensino superior, ecossistema empreendedor, mundo corporativo e política. As ações de formação voltam-se sobretudo à aplicação de tecnologias contábeis com vistas a compreender e viabilizar novos modelos de negócios, como, mas não restrito à, negócios sociais, empreendimentos cooperativos e em economia solidária.

*Optamos por usar linguagem neutra de gênero por acreditarmos que a escrita também é uma forma de expressão social e um espaço para questionamentos e quebra de paradigmas.